1

O Eu que nem sei que Sou

Sou e não sei. Algo que tento desvendar e medir. Nunca sei. Penso que sou e não sou. Mudo e recrio. Sempre assim. Pinto-me e me ponho em moldura, mas que racha e desponta imperfeições. Sou o nada? Sou o tudo? Sou eu. Sou o que? Sou isto e aquilo. Sou o mundo e suas maravilhas, sou o Homem e suas malícias. Sou isso e nada mais. Sou o que eu nem sei que sou, mas sou.

Leia mais
2

Minha ferida

Afogo-me em teu corpo, distorço suas verdades. Como um câncer, corroo-lhe a vida, uma infecção que lhe apodecre a carne. Enlouqueço-o e o deixo mutilar-se, meu veneno que se espalha. Sou o cárcere de sua alma. A morte que te chama, a vida que o abandona. O choro que bradas, o riso que o mata. Sou sua artéria que se desprende, o sangue que não estanca e que jorra, penetrando diretamente em minha veia, que o pulsa descompassado.

Leia mais
3

Inevitável

Morremos a cada segundo, nos perdemos constantemente pela estrada por onde passamos; ficamos nos olhos de quem nos vê, nas palavras que pronunciamos ou que dissemos e espairamos; nas pegadas que deixamos neste solo instável no qual pisamos, no suspiro que deixamos escapar por estes ventos que o sopram; nos sentimentos que proferimos e que se espalham; na comida que deixamos de comer, na bebiba que esquecemos de beber; definhamos em cada entrega. É invevitável, caminhamos sem cessar para a morte, que, ao contrário da vida, não nos limita, mas eterniza.

Leia mais
4

Ouça

Ouça. Este som que de mim parte é apenas o silêncio do meu coração. Este cheiro que em meu corpo se agarra não passa deste imaculado desejo profano que te chama no cair da noite e no vazio de minha alma. Venha... Beba-me em delírio. Arrasta-me para seus braços, entregue-me seu corpo, toma-me em repleto prazer; faça-me de gozo, dê-me suas asas e seu amor.

Leia mais
5

Eu? O amor que me entorpece

† Eu? A lágrima que nunca secou. A ferida que não cicatrizou. O mar que um dia evaporou. O sorriso, que por detrás de uma máscara, esperou. Esperou e nunca brotou. Sou a espada que em teu peito cravou. O sangue que por teu corpo passou. A vida jamais vivida. A morte que virou vida. Sou a cova que jamais será preenchida. Sou o defunto que não tem descanso. O choro do seu pranto. A palavra que te sufoca. Sou o que nunca fui. Fui o que jamais serei. Eu. O silêncio que te acusa. †

Leia mais

Sepultura

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011|


*Um pouco mais junto ao meu peito
Mais e mais para meus braços que o envolvem...
Capturando-o entre carícias vou mastigando-o
Digerindo-o em sussurros que o excitam
Corroendo-o em mil beijos ácidos
Sepultando-o entre cruzes e sarcasmo*



Srtª Bêêh

6 comentários:

Poeta Renato Douglas disse... 27 de fevereiro de 2011 17:55

Olá adorei teu blog, lindo mesmo. Parabéns. Fique a vontade para fazer uma visitinha ao nosso e seja mais um membro. Você é nosso convidado especial. http://poetarenatodouglas.blogspot.com/.
Um grande abraço!

Renato Douglas!

Marinha disse... 2 de março de 2011 15:06

Vejo cor e vida em tuas palavras, menina!
Bjo e sorrisos pra ti.

Fabio Fraga disse... 5 de março de 2011 18:57

oi bom dia gostaria de dizer que seu blog é fantástico parabéns, estou te seguindo se quiser pode me seguir caso goste do meu blog bjs...

http://lamoremiopersempre.blogspot.com/

Marcelo Mayer disse... 13 de março de 2011 16:51

belo achado isso aqui

Cadinho RoCo disse... 16 de março de 2011 21:17

Na decomposição a vaziez do corpo.
Cadinho RoCo

Norma Villares disse... 26 de maio de 2011 15:23

Bêeh, obrigada pela visita. Mais uma vez você está trazendo algo para reflexão.
É tão bom braças abertos para no colo encostar. Abraços

Postar um comentário